Meus caros amigos 

Ontem cada um de nós, todos nós brasileiros recebemos um tapa na cara.

Ou acabamos com a corrução endêmica deste país ou eles acabam conosco, com o nosso país e com o país que todos contribuímos para construir.

Aqui não se trata de política panfletária ou torcida organizada. Falamos de nós, de nosso futuro, do futuro de quem amamos, de querer realizar algo de bom, de positivo, construir o tal mundo melhor do que aquele que recebemos.

Não tenho ilusões, estamos expostos a esse estado de coisas para que definitivamente nos posicionemos, saiamos de nossa zona de conforto e busquemos ser a mudança que queremos ver no mundo, e efetivamente contagiar todos aqueles com quem convivemos esclarecendo, promovendo as discussões, reflexões que conduzam este país a um destino diferente do que está aí.

Este país também é meu. Também é seu. Às vezes dá uma vontade louca de sair e deixar para trás. Teoricamente este ano é de eleição. Teoricamente a chance de mudar este lixo está a meses de nós.

Não nos percamos nem desviemos deste caminho.


http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2014/02/27/aviso-o-brasil-que-e-so-o-comeco-diz-barbosa-apos-derrota-no-stf.hm

O que eu iria escrever hoje a grande Gisela expressou melhor então apenas colo o link e recomendo que leiam:

 

Dia 19 – Cuidado com o medo de não ser feliz

http://vigilantesdaautoestima.blogosfera.uol.com.br/2011/08/24/dia-19-cuidado-com-o-medo-de-nao-ser-feliz/

 

Alive and kicking

De volta após longo e tenebroso inverno marco o retorno ao hábito de escrever. A vida tá foda e não sobra (?) tempo para me expressar por aqui.

Neste meu retorno não me alongarei e postarei logo de cara uma música da grande Erica que anda se dedicando a ser DJ, acho que como todo mundo, tá meio modinha atualmente. Aí é que pega né.

A Érica pelo menos tem bom gosto e grana para se aventurar nessa e fora uma música específica que discordo totalmente mas que pra ela deve fazer todo o sentido (é sempre assim né, aqui mesmo eu posto músicas que alguém pode não gostar, de repente a própria).

Mas a opção por adicionar o som é que além de ser público é de alguém que gosto muito e a quem resolví homenagear inserindo em algo tão pessoal quanto pessoal pode ser um blog. Enfim, curtam porque é o melhor exemplo de atualidade que podemos sentir.

Diretamente de Paris, via Buenos Aires, Erica!

 

Back to Mykonos 2011 by elailhacar

 

Voltarei a escrever e expero sinceramente expressar um lado mais pra cima, mais esperançoso. Às vezes fico meio chateado com as coisas da vida e acabo expressando aqui um sentimento que não quero e nem busco, ao contrário.

Busquei a filosofia por querer entender melhor minha vida e este mundo no qual estou inserido. Mas sou e sempre fui super pra cima e por conta de uma fase me ví meio triste, meio pra baixo.

Aprendí que o maior interessado e o maior responsável pela minha felicidade sou eu mesmo então tenho que arregaçar as mangas, me reinventar e realizar as mudanças que eu quero, nas quais eu acredito para transformar a minha vida pra frente e pra cima.

Alive and Kicking

Força Interior

Várias vezes oscilamos em nossa fé, na crença de que as coisas vão acontecer como planejamos e que serão melhores. Às vezes pelas circunstâncias, às vezes por pessoas, às vezes por críticas, às vezes por desconfianças, e quase sempre pela nossa falta de fé. E por favor aqui estou falando em fé raciocinada, refletida, aquela força interior que nos faz vencer a preguiça, os problemas aparentemente mais insolúveis, as desconfianças (inclusive as próprias), as críticas e nos colocar a caminho. Sempre. É, sem dúvida, um exercício diário que quando realizado nos conecta com nós mesmos e, nas palavras de Jesus, com o Deus que nos habita.  Essa comunhão conosco mesmo, com a nossa essência divina, com o que fala mais alto ao coração, com os nossos sonhos nos levará inexoravelmente a sua realização, a uma melhora na nossa auto estima, a nossa própria realidade e a dos nossos próximos.

Cheguei tarde e fui dormir já de madrugada, em torno de 2:00 sabendo ter de acordar em torno de 07:30 para um compromisso comigo mesmo. Acordei, voltei a dormir e acordei novamente já às 08:00. Resultado saí correndo, mas cheguei a tempo, faltando um minuto e poucos lugares de assistir uma palestra que me pareceu sob medida para mim. A palestrante, apesar de alguns erros de português, mandou vários insights que caíram como uma luva.

E ao final ainda a possibilidade de conexão com as palavras mágicas de um grande e poeta aqui reproduzidas:

 

Ontem um menino que brincava me falou
Hoje é a semente do amanhã
Para não ter medo que este tempo vai passar
Não se desespere, nem pare de sonhar
Nunca se entregue, nasça sempre com as manhãs
Deixe a luz do sol brilhar no céu do seu olhar
Fé na vida, fé no homem, fé no que virá
Nós podemos tudo, nós podemos mais
Vamos lá fazer o que será

E já que busquei o genial Taiguara, um músico completo, uma voz linda, aqui tem mais desse cara genial:

 

Encontrei alguém que expressou como poucos, na forma e no conteúdo, tudo o que tivemos de passar para que ainda hoje esses corruptos, alguns deles marginalizados à época pela ditadura, hoje chafurdem na lama.

 

Desfaçatez

Pra mim está muito claro que faz parte do meu desenvolvimento enquanto ser ter nascido no Brasil e verificar toda esta baixaria que acontece nos governos que temos. Acontece que a proposta deste blog é reforçar os valores essenciais e de vez em quando não consigo deixar de me indignar quando os tais valores essenciais são tão afrontados e desconsiderados por iníquos e apedeutas. Senão vejamos:

Rastro do mensalão ‘persegue’ Lula em Washington

 

Alan Marques/Folha

 

Revigorado pelo relatório final da Polícia Federal, o escândalo do mensalão viajou com Lula para Washington.

O ex-soberano foi à capital americana para pronunciar palestra remunerada em evento promovido pela Microsoft.

Depois, falou aos repórteres. O repórter Fernando Eichenberg conta que Lula foi inquirido sobre o texto da PF.

Um texto em que a polícia repisa a conclusão de que a Viúva foi a principal provedora das arcas do mensalão.

Lula soou como se desse pouca importância ao tema: “Tem uma peça que dizem que foi o relatório produzido pela PF”, iniciou.

“Não se sabe se o ministro Joaquim [Barbosa, do STF] vai receber ou não, se aquilo vai entrar nos autos do processo”, prosseguiu.

Esmerou-se no arremate: “Se entrar, todos os advogados de defesa vão pedir prazo para julgar. Então, vai ser julgado em 2050. Então, não sei se vai acontecer”.

Conforme já noticiado aqui, o novo relatório não será anexado à ação penal do mensalão, cujo julgamento é previsto para 2012.

Para desassossego de Lula, o trabalho de sua ex-polícia vai rechear outro inquérito que corre no Supremo. Com sorte, talvez seja concluído antes de 2050.

Lula declarou também: “Não tive chance de dar uma olhada no relatório [da PF], nem vou olhar. Não sou advogado”.

Talvez devesse dar uma espiada. Nem precisa ler tudo. Basta que corra os olhos pelo trecho que menciona o companheiro Freud Godoy.

Nesse pedaço, o relatório anota que pilhado numa valeriana de R$ 98 mil, o amigo de Lula foi inquirido.

Disse no depoimento que a grana se refere ao pagamento de serviços de segurança prestados à campanha Lula-2002.

Lula sempre terá a oportunidade de repetir os bordões do pós-escândalo –“Eu não sabia”, “estou indignado”, “foi uma facada nas costas”, etc.

Porém, a leitura do novo texto talvez o desestimule de repetir lorotas pronunciadas mais recentemente, numa fase em que tempo liquefez a vergonha.

Coisa assim: o mensalão foi “a maior armação já feita contra um governo”. Ou assim: ”Foi uma farsa. Nós vamos desmontar”.

Questionou-se Lula também sobre a ordem do Ministério Público para que seus filhos e netos devolvam os sete passaportes diplomáticos que receberam irregularmente.

Sempre loquaz, o antecessor de Dilma disse pouco, quase nada: “Isso é com o Itamaraty.

Perguntaram-lhe se mediaria o conflito na Líbia se o convocassem para a missão. E ele: “É muito difícil eu falar porque ninguém me chamou”.

E se alguém chamar? “Se a minha presidenta ou alguém achasse necessário e falasse que o Lula pode contribuir, eu contribuiria tranquilamente”.

Abespinhou-se ao ser questionado se tinha mesmo chamado Muammar Gaddafi de “companheiro e amigo”com

Mas revelou forte irritação quando perguntado por que teria chamado Kadafi de “companheiro e amigo”, em uma de suas visitas à Líbia.

“Não fale uma sandice dessa. Eu conheço as pessoas e sei como me refiro a elas”, reagiu, contrafeito.

“[...] Eu jamais falaria isso. Por uma razão muito simples: tenho discordância política e ideológica”.

De Washington, o ex-soberano voou para o México. Fará, em Acapulco, outra palestra remunerada. Dessa vez para banqueiros mexicanos.

Informou que, dentro de 20 dias, adicionará à conta bancária nova palestra. Discursará para empresários venezuelanos, em Caracas.

- Siga o blog no twitter.

Escrito por Josias de Souza �s 07h18

 

E a desfaçatez continua como prova a excelente (e surpreendente considerando o veículo) matéria da Época desta semana e que detonam a própria defesa (do nada ví, nada sabia).

Todos sabemos que o sistema eleitoral em vigor não nos representa mais mas o que está acontecendo é um verdadeiro abuso. O país lutou tanto contra a ditadura, para consolidar uma democracia apoiando-se no fato de a sociedade dita civil poder criar um Estado e uma Nação melhor, mais justa, e quando consegue o poder o que se vê é um lixo generalizado.

Ao invés de nos preocuparmos que em 39 anos ninguém vai ter água doce no planeta ainda se perde tempo em briguinhas infantis e torpes pelo poder e pelo direito a roubalheira. E que se fodam os brasileiros. Inclusive os que não votaram nestes corruptos.

Além disto o lulla continua o mesmo lá fora acabou de falar barbaridades em evento da microsoft como ouvimos no podcast do José Neumane da Jovem Pan no link

http://jovempan.uol.com.br/noticias/politica/2011/04/lula-saiu-do-poder-mas-deixou-discipulos.html

Fé, confiança e vontade de mudar porque acredite os bons são maioria e, para Deus, definitivamente não há impunidade.

Friends

Ontem foi a reunião da minha turma de primário e ginásio. Fomos a última geração a estudar no grande Caetano de Campos, inicialmente IECC e depois IEECC. Infelizmente não pude estar presente pois saí tarde de meu curso preparatório para expositor de Filosofia e não havia condições de ir.

Fiquei triste por não ter podido ir e mais ainda por talvez não ter sido claro com o Maurice quando ele me ligou de lá. Estava com o Marcelo José e o Gui.

Desde o primeiro contato da Patrícia eu dei força e achei a idéia ótima pois sempre busquei manter o contato perdido com os amigos de infância, à exceção do Fábio meu grande amigo de então, juntamente com o Maurice, com quem me relaciono ainda hoje. Por isso fiquei tão contente em rever o Maurice outro dia e ao mesmo tempo triste por não ter podido ir ao encontro. Como amanhã é seu aniversário tentarei explicar a ele novamente.

Amizade verdadeira, desinteressada é umas das coisas mais difíceis de se encontrar. Mais ou menos como um relacionamento. É super difícil encontrar alguém por quem se sinta atraído, que te agrade, que existam afinidades, que existam objetivos comuns, amizade e principalmente companheirismo. Por isso tanta gente casa e tanta gente descasa. E também por isso quase sempre se contam os amigos verdadeiros nos dedos das mãos. Acho muito engraçado as redes sociais, particularmente o Facebook, onde tem um limite de 5.000 pessoas para se adicionar sob o título de amigos. Não poderia discordar mais do conceito de amizade do Facebook e acho impossível alguém ter 5.000 amigos. Conhecidos, relacionamentos, pessoas interessantes, interessadas e interesseiras, mas não amigos na acepção da palavra. Não concordo com a superficialidade de nossos tempos.

Por essa razão discordo da minha colega Patrícia quanto a supervalorização do Caetano, chegando a dizer que é o que é por ter estudado lá. Discordo mas respeito o seu direito de dizê-lo e até mesmo de sentí-lo. Para mim isto não é uma verdade absoluta e não sou o que sou apenas por ter estado lá.

Era muito bom, charmoso, dava um certo status, a turma era legal, o ensino era legal, ponto. Era a chamada Escola Modelo, era super difícil entrar, tinha de ter pistolão, etc. Sem dúvida a melhor escola pública de São Paulo e porque não dizer do Brasil na sua época. Pretendo continuar o contato com aqueles que eram mais próximos e que se disponham a resgatar essa amizada passados 30 e poucos, 40 anos. O Maurice certamente será um deles.

Na escola havia turmas diferentes como a do futebol, a dos cdf´s, a da luluzinha, a do fundão, do pessoal do volei, dos fortões, etc. Eu transitei em todas elas a exceção dos cdf´s, sempre muito chatos. A minha turma era a do futebol, do fundão e dos fortões. Do futebol lembro que haviam 5 caras muito diferenciados: O Maurice que era o camisa 10, um craque. O Guilherme, fominha que fazia todos os gols e que seria o camisa 9. O Aikes era muito bom e talvez tivesse a 8. O Zé Albano era também muito bom e receberia a 11. Eu jogava no meio campo apoiando ao ataque e ficaria com a 7 ou a 5. Os demais eu nem quero lembrar...

Na hora da confusão, se tivesse porrada mesmo sempre chamavam eu e o Fábio que as coisas acalmavam. Quando entrei no ginásio tratei de fazer amizade com o Mauro que era o cara mais temido melhor brigador da escola. Não me lembro dele ter apanhado nunca.

E as meninas: sonho de consumo de todos nós crianças ou pré-adolescentes. As que mais marcaram e eram queridas por 10 entre 10 meninos eram a Nádia, a Milla e já no ginásio, a Silvia e a irmã do Marcelo. Para mim, já no primário, as minhas primeiras paixões foram a Sandra e a Ana Paula (loira).

Bons tempos, boas lembranças e quem sabe algumas amizades a resgatar. Fiquei muito triste de ser informado que o Renan morreu. Foi um grande amigo, aprendemos a nadar juntos na ACM e jogávamos futebol e pebolim juntos. Perdí totalmente o contato com ele mas era um cara do bem.

Agora, como o tempo não me dá escolhas a não ser esta música, vamos curtí-la:

 

Compromissos

A busca pela solução das tribulações recentes me levaram a procurar ajuda e encontrar com o pessoal do Joanna de Angelis. Magnífico o trabalho lá realizado. Espero um dia poder ter condições de trabalhar por lá para tentar retribuir em parte a ajuda que me deram. 

De fato começo a perceber-me diferente ao lidar com as coisas e situações. E a conscientizar-me cada vez mais dos compromissos desta vida.

O grande dilema é filosofia pois adoro, me fascina, me ensina e sei que precisam de mim. Um misto de medo, receio, insegurança e sobretudo falta de tempo para encaixar estudo tão complexo e me formar professor da melhor forma possível como cabe a alguém tão perfeccionista quanto eu.

Os problemas continuam os mesmos mas percebo a mudança lenta e gradual de seu gerenciamento, de seu equacionamento, de atitude mesmo.

Sei que vai dar certo.

Num domingo meio nublado, pensei em postar a música Nem um dia que tem tudo a ver com o dia. Mas, outra veio até mim.

  

Alessandra's courtesy

Gisela

No dia que iria conhecer a Gisela marcamos um café e quando liguei para confirmar se ela ia mesmo me informou que a sua mãe tinha falecido e por isso não iria. Não nos falamos mais ao telefone e poucas vezes postei algum comentário no seu excelente Vigilantes da Auto Estima.

Engraçado porque apesar de não conhecê-la tenho a impressão nítida pelo pouco que nos falamos e pelo muito que se percebe a partir de seu blog que ela além de ser uma pessoa do bem, é alguém voltada para a melhoria do próximo. Ainda que num ou noutro momento ela própria não esteja tão bem. Ela credita essa condição a Deus que teria dado a ela o bom humor com o que ela tenta se resolver e tambem aos seus leitores e amigos.

Vida longa a Gisela, precisamos de mais gente assim.

 

Rogério Ceni

Comecei este blog há um ano mais ou menos justamente por causa de futebol. O motivo era um pouco diferente, já se vislumbrava que o maior mafioso do país, Ricardo Teixeira, iria passar para trás o estádio do Morumbí para poder construir um novo estádio e assim aumentar a roubalheira tornada tão vulgar nos ultimos 8 anos neste país.

Hoje escrevo com a felicidade de ter visto ao vivo e nas televisões o melhor goleiro do brasil marcar o seu centésimo gol, justamente o gol da vitória, sob o maior rival dos últimos dez anos. Este gol conquistou uma vitória, acabou com uma série de 11 jogos sem vencer o rival e de quebra trouxe uma mídia expontânea muito bem utilizada por este jogador para expressar a indignação de todos com a nova baixaria do mafioso, agora ditando em que emissora devem ser transmitidos os jogos.

Provavelmente este ano ainda veremos o milésimo jogo do Rogério com a camisa do São Paulo Futebol Clube. Ou seja, quando encerrar sua vitoriosa carreira terá provavelmente mais de 110 gols e mais de 1100 jogos.

Um gênio nos gramados e fora deles. Diferenciadíssimo, inteligente, articulado e aparentemente do bem. Raro ter um profissional assim e um enorme prazer assistí-lo escrever a história. O Futebol de nossos tempos é dinheiro. Não dá pra confiar numa copa do mundo. Não dá pra confiar nem em campeonato brasileiro ou regionais. No país onde o crime compensa, tudo é possível inclusive a compra de campeonatos.

Neste contexto, o Rogério é uma exceção. Talvez o último dos românticos. Mesmo.

 

Esperança

Adoro Coca Cola. Quem não gosta. E suas propagandas então, sensacionais. Especialmente as natalinas. Atualmente tem uma campanha deles que tem a ver um pouco com todas estas coisas que nos preocupam quando olhamos o mundo ao redor: a geléia geral de baixíssima qualidade.

Aplaudo quando reconheço uma iniciativa de marketing (claro para vender mais) sensível o suficiente para captar o momento em que se insere e trazer uma mensagem bacana, uma esperança pra gente. A propaganda é um pouco piegas mas a mensagem na sua essência é ótima, de esperança.

E é sempre bom pensarmos que outros também percebem a necessidade de termos todos esperança de dias melhores. Porque vivemos dias difíceis...

Às vezes

Tem momentos que me sinto mal por deixar de fazer tantas outras coisas importantes para vir aqui escrever. Outras vezes me expresso no excelente radio blog e ainda que com a brevidade quase de um twitter mas um alcance maior acabo deixando de vir pra cá. Com tristeza e já sem culpa, constato ser o caso deste mês de Março.

Os sentimentos e experiências controversos são incríveis e validam o que já aprendí: a gente aprende com a experiência, com o convívio com o outro. Por diversas razões a vida se apresentou de uma forma que tive de estar mais perto de minha mãe. Alguém essencial em minha existência. Responsável pela educação de dois filhos e trabalhando fora por mais de 40 anos não dá para negar o excelente trabalho que fez.

Não tenho a menor intenção de querer saber mais do que a energia suprema que nos criou e que comumente chamamos de Deus mas o processo de envelhecimento e a velhice propriamente dita é uma grande merda. Da minha limitada visão talvez não consiga enxergar os eventuais benefícios deste modelo criado para educar ou moldar o espírito mas inegavelmente ainda acho uma grande merda. Nem só por mim ou minha mãe ou meu pai mas observando a vida de modo geral e as limitações a que se submetem os seres quando teoricamente poderiam render mais porque mais experientes, mais sábios mas, nem sempre conscientes e desenvolvidos. Aliás, a minha observação é de que a minoria consegue realmente apreender e utilizar esta experiência em seu próprio benefício ou em benefício de outros. Como de resto a minoria da população mesmo busca a consciência, o autoconhecimento

Às vezes, apesar de todo o conhecimento que busco cotidianamente, eu mesmo me sinto triste e impotente com algumas situações. Elas me trazem enorme frustração, alguma inação e descrença na vida. Dá impressão de que eles venceram. A mediocridade venceu. E isto me assusta. Não quero eu também ser mais um medíocre.

A minha ânsia de melhora, de desenvolvimento, de autoconhecimento, de evolução, de preferir manter, por vezes, a minha dignidade ao meu emprego chocam-se não raro com uma realidade adversa quase que conspiradora contra todo este meu processo. É aí que me lembro do que já aprendí, do que sei, e busco recolocar a locomotiva nos trilhos e continuar na incrível viagem sabedor que sou de que não há mesmo nenhum podium ao seu final senão a doce, estimulante e saudável sensação de ter aproveitado a viagem na terra, aprendido mais um pouco, evoluído mais um pouco e ser melhor do que era no início da viagem.

Às vezes esqueço desta verdade essencial.

Nick Vujicic

Esta semana a Bel replicou um post de um vídeo sensacional que eu também repliquei. Pelo seu conteúdo, o dia e horário que assistí foi impossível nao se comover e se tocar.

Acho que o grande propósito deste grande homem, Nick Vujicic que tem um lema que me lembra o meu: Atitude é Altitude. E eu sempre achei que atitude é o que diferencia os homens. O vídeo que assistí está em flash e não pode ser replicado aqui então recomendo a visita no site dele. Todos devem assistir.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL , Sudeste , SAO PAULO , Homem , Portuguese , English , Arte e cultura , Gastronomia , Esportes

 
Visitante número: